Grua florestal: erros mais comuns na instalação e operação deste equipamento

O setor florestal está recheado de exemplos do que a mecanização é capaz de proporcionar aos trabalhos. Desde a colheita, passando pelo corte, extração, carregamento, transporte e descarregamento, as operações têm utilizado a cada dia mais soluções que facilitam as atividades de logística. Um dos equipamentos largamente usados é a grua florestal.

 

Mas você está por dentro de detalhes que podem prejudicar o emprego desta ferramenta?

 

Descubra neste artigo tudo o que você precisa saber sobre os erros mais comuns na instalação e operação da grua florestal.

 

Grua florestal: especificidades sobre o equipamento

O trabalho florestal é dividido em muitas partes, entre elas, a extração, o carregamento e o descarregamento dos veículos utilizados no transporte, e a grua florestal é o mecanismo mais utilizado, devido a sua robustez, agilidade, praticidade, rapidez e eficiência.

 

A grua florestal pode ser acoplada nos mais variados tipos de veículos: caminhões, como o modelo munck, carretas e tratores agrícolas adaptados. Equipamentos do tipo forwader também são usados. Ainda existem sistemas estacionários de carregamento, como slashers e guindastes, e de descarregamento, como gruas em ponte rolante.

 

>>Você também vai gostar de ler: Checklist: cinco quesitos para avaliar o momento certo de renovar a sua frota para o transporte florestal

 

As gruas florestais podem ser adquiridas nas mais diversas versões, para se adaptar ao trabalho feito e aos sistemas de transporte e escoamento escolhidos.

 

Cuidados a serem tomados na instalação da grua florestal

Como dito acima, muitos são os veículos e sistemas que podem utilizar a grua, mas cada operação é única. Como escolher, então, o melhor modelo e instalá-lo da maneira correta?

 

Primeiramente, é preciso saber qual a grua ideal para as atividades desenvolvidas. Ao procurar um fornecedor de equipamentos do gênero é necessário atentar-se para detalhes técnicos, e não meramente econômicos.

 

Por exemplo: gruas estacionárias não são indicadas para terrenos íngremes, e alguns veículos, apesar de possuírem possibilidade de adaptação, podem não suportar o peso da grua por si só, ou em uso.

 

Outros erros na instalação da grua florestal incluem: má escolha de fornecedor/instalador do equipamento, falta de planejamento, desconhecimento das normas ambientais e de segurança, desconsideração sobre detalhes das operações realizadas, como tipo de madeira a ser colhida e cálculos para prever peso e tamanho médio das árvores. Ainda problemas como gruas mal adaptadas à área, seleção de equipamentos ultrapassados e opção por sistemas que não possuem alcance ideal são equívocos geralmente vistos.

 

Ou seja: os maiores erros na instalação da grua florestal ocorrem antes mesmo de implementar a ferramenta, visto que apenas empresas autorizadas e especializadas neste tipo de equipamento podem fazer o serviço.

 

Operação da grua florestal: tudo o que você precisa saber

Assim como todos os equipamentos mecanizados que são utilizados na indústria exigem manutenções periódicas, preventivas e corretivas, com as gruas florestais não seria diferente.

 

Com o uso no dia a dia e o trabalho sendo pesado, o equipamento pode sofrer com problemas causados pela falta de cuidado, o maior responsável pelas pausas dos trabalhos.

 

Por ser uma área que necessita de máxima atenção e segurança, a operação da grua deve ser feita somente por pessoa capacitada, dentro das normas de segurança, equipada com EPIs, treinada para manusear o carregador florestal e que ainda esteja familiarizada com os componentes que integram o sistema da grua.

 

Além da desatenção ao calendário de manutenções, outros erros clássicos na operação da grua florestal são o sobrepeso e o desvio de finalidade ou uso inadequado do carregador florestal.

 

O profissional que realiza as atividades deve ainda estar familiarizado com o tipo de madeira e local que será trabalhado, conhecendo as especificações como comprimento e peso das árvores, fator de empilhamento, volume do feixe e organização das toras, além da topografia e possíveis declives do terreno.

 

O operador também deve saber a área útil da garra, o tempo de ciclo da grua e estar preparado para não avançar em áreas que não fazem parte do projeto, além de conhecer normas ambientais, de segurança e de trânsito e ter cuidado ao realizar o carregamento e descarregamento dos veículos da frota.

 

>>Você também vai gostar de ler: Como evitar que a integridade do fueiro seja comprometida no carregamento?

 

Vale ressaltar que as normas regulamentadoras NR11, NR12 e NR 31 precisam ser seguidas à risca para uma operação segura.

 

Ao seguir estas dicas você evitará erros na instalação e operação da grua florestal, e garantirá um trabalho produtivo e seguro.