O que é silvicultura e como ela pode colaborar para a produção florestal extrativista ou cultivada?

Com o mercado florestal brasileiro mantendo-se ativo e com alta demanda, diversos questionamentos surgem, como a maximização da produção aliada ao cuidado ambiental.

 

Descubra neste artigo tudo sobre a silvicultura, técnica que une negócios, sustentabilidade e produtividade.

 

 

O que é silvicultura

A silvicultura pode ser descrita como o uso inteligente de florestas. Isso se deve ao fato de que a silvicultura é uma atividade científica e técnica, que realiza o cultivo florestal através de métodos de manejo agrícola sustentáveis, a fim de conciliar as demandas e o aproveitamento de florestas e biomas, com práticas de reflorestamento e operações controladas e planejadas.

 

>>Você também vai gostar de ler: ODS 2030: como boas práticas permitem um manejo florestal sustentável e colaboram com o meio ambiente

 

Mais que estudar e aplicar variadas metodologias, naturais e artificias, a silvicultura busca, antes de tudo, parametrizar o cultivo de árvores, que serão utilizadas como matéria-prima nos mais diversos segmentos.

 

Os tipos de silvicultura podem ser de duas formas: extrativista ou cultivado.

 

O modelo extrativista funciona respeitando a própria ação produtiva natural das florestas e o desenvolvimento orgânico do ambiente na busca do equilíbrio perdido ou diminuído nas operações.

 

O estilo cultivado, porém, é de ação não natural, sendo baseado no plantio e rotação florestal, sobretudo na silvicultura de eucalipto, tipo que pode ser plantado e replantado para utilização na indústria de celulose. No padrão cultivado há o repovoamento florestal realizado por ação humana, ou de maneira orientada e artificial.

 

 

Silvicultura representa vantagens à economia, às empresas e ao meio ambiente

O setor florestal brasileiro é um dos maiores do mundo, que movimentou, só em 2019, US$ 10,3 bilhões na balança comercial. Com 3,5 milhões de empregos gerados, direta e indiretamente, o segmento se destaca por seu tamanho, sua receita e seus processos.

 

>>Você também vai gostar de ler: Crescimento, recuperação ou estabilidade: qual a perspectiva para o setor florestal no Brasil em 2021?

 

Com relação à metodologia da silvicultura, o diferencial está na preservação e no manejo ecológica e ambientalmente responsável, pois apresenta em suas técnicas o objetivo de fazer a manutenção no bioma local em que a operação florestal é realizada, ajudando a recuperar recursos naturais eventualmente perdidos durante as atividades.

 

Mas, na prática, como a silvicultura contribui para a produção florestal?

 

 

Métodos extrativista e cultivado: no que a silvicultura colabora para ambas as técnicas

Tanto um método quanto o outro buscam um alvo em comum: garantir o repovoamento florestal, unindo as necessidades do mercado ao cultivo ambientalmente responsável.

 

Para atingir a máxima performance das técnicas silvicultoras, é necessário que haja o planejamento e a implantação corretos de todas as fases do manejo.

 

O modelo de silvicultura, extrativista ou cultivada, passa por diversos levantamentos, que incluem estudo de clima, determinação de espécie e material genético, preparo de mudas e de solo, controle de pragas, planejamento de colheita e de corte, para delimitar sua frequência e intensidade.

 

No padrão de cultivo, os parâmetros silvicultores desempenham papel ainda mais importante: citam, além dos itens mencionados acima, controle de adubação, de plantas indesejadas e de doenças, calendário detalhado de rotação do plantio para gerar produtividade e previsão e instruções de possíveis intervenções no cultivo florestal.

 

>>Você também vai gostar de ler: Entenda como funcionam as certificações florestais no Brasil e por que elas são importantes para o setor

 

A silvicultura propicia, portanto, mais do que produção madeireira. Seja no método de extração ou de cultivo, as técnicas acarretam proteção das florestas, de sua fauna e de sua flora, contra diversos agentes orgânicos e artificias, como erosão, desertificação, empobrecimento do solo, degradação ambiental, agrotóxicos, pragas e incêndios, uma vez que delimita e estuda a área de manejo florestal de forma microambientada.

 

Ou seja: a silvicultura traz, tanto para o extrativismo quanto para o cultivo, bases para que as operações sejam feitas em um ciclo - aproveitamento, manutenção e repovoamento florestal.

 

Em cada um dos estilos de manejo há a necessidade de estudo, para que as técnicas silvicultoras mais certeiras e apropriadas sejam aplicadas.

 

>>Você também vai gostar de ler: E-Book Gratuito: Guia De Boas Práticas Para Um Manejo Florestal Sustentável