Quais desafios a Covid-19 está impondo para o setor florestal?

Assim como todos segmentos produtivos, o setor florestal vem adaptando sua rotina de trabalho nas últimas semanas em função da Covid-19. As empresas do ramo intensificaram as medidas de higiene, criaram novas orientações e estão seguindo as regras indicadas pelos órgãos de saúde.

No geral, o distanciamento entre as pessoas nas operações do setor florestal já ocorre em tempos normais, antes mesmo da pandemia. “Na área de transporte, principalmente, é uma prática que já existe naturalmente. O motorista, por exemplo, anda sozinho, e o carregador opera sua máquina isolado dos demais. Esse fato foi positivo para que não existisse tantos problemas de Covid-19 nas empresas transportadoras de madeira para celulose”, explica Eduardo Maggioni, responsável pela área de vendas dos fueiros florestais da marca RAPTOR®.

Entre os cuidados adotados pelo setor nesse momento de pandemia, podem-se destacar a limpeza intensa do caminhão após a troca de motorista e o uso frequente da máscara de rosto e do álcool gel. Boa parte das empresas também está medindo a temperatura corporal dos colaboradores na chegada às fábricas e mantendo as operações com o mínimo possível de funcionários e prestadores de serviços presencialmente.

 

Setor registra aumento de demanda por papel

O Brasil é o principal produtor mundial de celulose. O segmento certamente é o mais importante para a cadeia da base florestal brasileira, visto que movimenta grande parte das operações do setor.

A pandemia que afeta praticamente todo o mundo tem feito com que o consumo global de papel tenha subido em função do aumento dos cuidados com higiene. Itens como papel higiênico, fraldas e lenços descartáveis estão sendo cada vez mais utilizados. Esse fator contribuiu para uma potencialização nas demandas do setor.

Apesar do crescimento ser pontual, existe ainda uma perspectiva de que os pedidos sigam maiores do que o normal depois da pandemia. Isso porque estudos apontam que os padrões de hábitos de saúde e higiene tendem a ser permanentemente alterados após a Covid-19.

 

Setor comercial também sofre impacto

Os desafios do setor florestal durante a pandemia ultrapassam o limite do ramo produtivo e chegam também nas áreas comerciais, com alterações significativas na forma de vender e negociar. Boa parte dos colaboradores dos setores administrativos está trabalhado em home office nos últimos tempos.

A prospecção de novos clientes e o contato com parceiros estão sendo realizados com outra abordagem. “Até que se possa voltar a viajar normalmente, nós temos feito reuniões via vídeo, via WhatsApp e trocado e-mails. Por ser um ramo bem técnico, fazíamos isso pessoalmente sempre, mas estamos adaptando a nossa rotina”, explica Maggioni.

Além dos encontros virtuais, as empresas apostam também na disseminação de informações. A equipe da Unylaser, empresa que produz os fueiros florestais da marca RAPTOR®, vem divulgando uma série de materiais e conteúdos técnicos a seus parceiros. A estratégia visa manter seus clientes informados, além de sanar possíveis dúvidas que possam surgir durante as operações.